• José Aníbal veio à Comissão para discorrer sobre o andamento de sua gestão

    Secretário estadual de Energia participa da Comissão de Infraestrutura

    O secretário estadual de Energia, José Aníbal, compareceu na Comissão de Infraestrutura, no dia 25 de abril, para falar do andamento de sua gestão. Logo no inicio, o secretário ressaltou que a Secretaria de Energia foi recriada em janeiro de 2011 pelo governador Geraldo Alckmin com a finalidade de assegurar a oferta de insumos energéticos ao Estado.

    Precisamente Aníbal orientou que a secretaria de Energia é dividida em quatro subsecretarias, cada uma voltada a um setor energético como energia elétrica, energias renováveis, petróleo, gás natural e mineração.

    Um dos primeiros desafios enfrentados, segundo Aníbal, foi encontrar uma maneira de pressionar as empresas de energia, para fornecer melhores resultados quanto à qualidade dos serviços. A AES Eletropaulo teve que fazer vários investimentos, diminuindo significativamente a frequência e o tempo de interrupção de energia.

    A secretaria tem também como plano, insistir para que as empresas de energia façam com que as subestações sejam digitalizadas e interligadas, já que por não serem interligadas, quando se interrompe uma transmissão não há como transferir para oura, explica o secretário.

    José Aníbal veio à Comissão para discorrer sobre o andamento de sua gestão

    As subestações é uma instalação elétrica de alta potência, contem equipamentos para transmissão e distribuição de energia elétrica. Funciona como ponto de controle e transferência em um sistema de transmissão de energia elétrica, direcionando e controlando o fluxo energético, transformando os níveis de tensão e funcionando como pontos de entrega para diversos consumidores.

    Também foi destacada pelo secretário a relação com a Petrobrás. Segundo ele, o governo do Estado quer que o pré-sal melhore as condições de vida para a população paulista, mas para isso, a secretaria vem procurando promover ações convergentes, fornecendo todas as condições para o trabalho da Petrobrás, mas ao mesmo tempo exigindo a contrapartida para a população de São Paulo.

    Questionado pelos deputados a respeito dos investimentos em energias alternativas, José Aníbal, falou sobre a energia gerada pelo bagaço e pela palha da cana de açúcar, a biomassa, energia limpa, cujo potencial é enorme, e foi prejudicada pelos investimentos em energia eólica, gerando crise no setor. A energia produzida pelo bagaço da cana de açúcar tem um custo maior do que os gastos na energia de hidrelétricas, de acordo com Aníbal a secretaria está emprenhada em encontrar alternativas para o problema.

    Já o setor de mineração que possui problemas antigos necessita de uma ação mais intensa tanto de desenvolvimento quanto de prevenção dos problemas que gera, mas o secretário advertiu que a secretaria em conjunto com o governo federal, tem trabalhado nesse sentido.

    Ao final, Aníbal lembrou que esta em discussão uma política de remuneração dos funcionários da Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp), cujos salários estão defasados desde 2007, e o problema têm gerado a perda de profissionais qualificados para o setor privado, o que com certeza será resolvido com a atualização dos salários. 
     

Mais | Notícias | Todas Cidades | NOTÍCIAS