• Serra inaugura trecho Sul do Rodoanel

    Considerada a maior obra realizada no Estado de São Paulo, o Rodoanel interliga dez rodovias: Anchieta, Bandeirantes, Castelo Branco, Raposo Tavares, Régis Bittencourt, Imigrantes, Anchieta, Ayrton Senna, Dutra e Fernão Dias. O trecho Sul, que começa em Embu terá 57 quilômetros, mais prolongamento de 4,4 quilômetros de extensão, entre São Bernardo do Campo e Mauá, o que soma 61,4 quilômetros. Ele interligará as rodovias Anchieta e Imigrantes com o trecho Oeste, em Embu, onde faz a conexão com a Régis Bittencourt, Raposo Tavares, Castelo Branco, Bandeirantes e Anhanguera, cobrindo sete das dez rodovias que chegam a São Paulo.

    O custo estimado de toda a obra – abrangendo a construção da rodovia, viadutos, desapropriações, reassentamentos e compensações ambientais – é de R$ 4,2 bilhões, sendo dois terços custeados pelo Estado e um terço pela União.

    O Rodoanel Sul passa por áreas urbanas e rurais de sete municípios – Embu, Itapecirica da Serra, São Paulo, São Bernardo do Campo, Santo André, Ribeirão Pires e Mauá –  e atravessa duas grandes represas que abrigam mananciais e abastecem a Região Metropolitana de São Paulo e cidades vizinhas.
    Iniciado em 2007, a sua inauguração oficial está prevista para março, 34 meses após o início das obras. No total, serão 136 obras de arte entre pontes, viadutos, acessos, passagens inferiores e superiores. Somadas, equivalem a 20 quilômetros e a um terço do custo total da obra.

    Compensação ambiental

    Os marcos mais importantes são as pontes sobre as represas Guarapiranga e Billings e, ainda, os trevos das rodovias Régis Bittencourt, Anchieta e Imigrantes. Nesses trevos, alças direcionais de grande capacidade permitirão manter a fluidez do tráfego das rodovias interligadas. Com 1.775 metros de extensão e vão livre de 107 metros, a ponte sobre a Represa Billings é a maior em movimento, seguida da ponte da Represa do Guarapiranga (250 metros). Também serão construídos 26 viadutos.

    Em outubro, foi anunciado o início das obras e serviços no sistema viário de Ribeirão Pires, como medida compensatória do trecho Sul do Rodoanel. Pelo acordo, o município vai receber drenagens, guias, sarjetas e pavimentação de ruas numa extensão de 8 quilômetros, o que totaliza R$ 11,5 milhões de investimento.

    No pico da obra, essas empreiteiras chegaram a gerar 48 mil empregos diretos e indiretos. Atualmente, já na sua fase final de execução, 10 mil operários e funcionários trabalham na construção da rodovia. Dentro do plano de compensação ambiental decorrente do impacto das obras sobre a área verde, o trecho Sul do Rodoanel vem executando o reflorestamento da região com espécies nativas numa área de 1.016 hectares ao longo do traçado da estrada, o que corresponde a 2,5 milhões de mudas.

    No trecho Sul, a preservação, resgate e realocação da fauna tem sido preocupação constante nas frentes de serviço. Remanejamento de ninhos e animais de baixa mobilidade e resgate de animais, por acaso, feridos, são algumas das ações desenvolvidas.

    Com inauguração pré-marcada para o próximo dia 27, o trecho sul do Rodoanel vai ser liberado sem cobrança de pedágio. O motivo é que o processo de concessão ainda não foi concluído. Atualmente, o Governo Estadual (através da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo – Artesp) prepara o edital para a abertura da licitação das praças de pedágio. A previsão inicial era que a cobrança começaria até o mês de junho, mas com o atraso deve ocorrer apenas em 2011.

    Cada trecho percorrido do Rodoanel será cobrado separadamente. Ou seja, aquele motorista que utilizar os dois trechos vai pagar dois pedágios. O valor inicial que a Artesp colocou no edital para o trecho sul é de R$ 6,00 (teto máximo). A empresa que apresentar o menor valor ganha a concessão por 35 anos. O deságio no trecho Oeste foi de 60%.

    Mesmo após a assinatura do contrato, a cobrança de pedágio ainda demora alguns meses para começar a ser feita. Isso porque, segundo explicou a assessoria da Artesp, a concessionária que vencer a licitação deverá implantar melhorias iniciais na rodovia, como sistema de ajuda ao usuário, ambulâncias, guinchos e socorro mecânico.

    O motorista que trafega hoje pelo trecho Oeste do Rodoanel, que liga as rodovias Régis Bittencourt e Bandeirantes, passando pela Raposo Tavares, Castelo Branco e Anhanguera, paga R$ 1,30 por todo o trecho. No trecho Sul as paraças de pedágio também serão instaladas nas saídas da rodovia.

    O trecho Sul terá 57 quilômetros, mais prolongamento de 4,4 quilômetros de extensão, entre São Bernardo do Campo e Mauá, o que soma 61,4 quilômetros. Ele interligará as rodovias Anchieta e Imigrantes com o trecho Oeste, cobrindo sete das dez rodovias que chegam a São Paulo.

     

Mais | Notícias | Todas Cidades | NOTÍCIAS